"Certamente o carioca Márcio Thadeu não pisou em despacho, pois, ao contrário daquela cabritada malsucedida do mesmo compositor ora referenciado, Geraldo Pereira, o seu segundo CD, "Negro Canto II", em que também homenageia outro mestre no ofício do samba, Cartola, é simplesmente encantador. Extensão compacta do escopo mais espraiado em nomes do seu primeiro e promissor "Negro Canto", o trabalho atual mostra um Márcio ainda mais à vontade, em grande forma, como que até chamando, já na primeira faixa, o ouvinte para dançar um vigoroso "Acontece", de samba transformado em bolero. Nesse ponto, no dois-pra-lá-dois-pra-cá resumidor de grandes qualidades do disco, avulta, logo de saída, o talento do jovem arranjador Dudu Viana, pianista mineiro procedente da Zona da Mata, que dribla o "déjà écouté" em músicas tão conhecidas, ora alterando o andamento do samba desses ícones verde-rosa, ora vestindo-o ou adornando-o com diferentes e bem nuançados atrativos rítmico-harmônicos e a eles aplicando, aqui e ali, uma ou outra pitada de "latinidad".

Todos os demais músicos desta empreitada mostram serviço com eficiência e brilho, segurando a onda criativa do Dudu ao longo da audição, na qual sobressaem, na faixa 3, em participação especial, os sopros mão-e-luva de Silvério Pontes e Zé da Velha De andamento quase sempre alegre, cabe menção honrosa nesta produção ao contraponto de "Cordas de Aço", cuja letra tem dolência realçada na voz bem timbrada do cantor, acompanhada apenas pelo som da madeira que, envolvente, Pedro Pereira, filho do saudoso Willians Pereira, extrai do seu pinho. Sem compromisso com o banal ou o malfeito do modismo, mas com o belo e o duradouro da lembrança, Márcio Thadeu, filho do chão de estrelas de Botafogo, engata uma segunda de força e vai adiante em cadência fina e até inusitada do samba. Que disco bom ! "

Autor: Gerdal J. Paula.